Humanæ: beleza da pele humana em todas cores

Humanæ: beleza da pele humana em todas cores

Nós que trabalhamos com design todos os dias usando ferramentas como escalas de cores sempre enxergamos os diferentes tons de cores no mundo real e ficamos imaginando como seriam seus equivalentes descritos pela escala Pantone®. A própria entendeu isso e vive lançando produtos usando seus códigos de cores, muitas vezes para serem usados como decoração de escritórios de design, agências de propaganda, entre outros.

Mas e se a escala Pantone® fosse usada para desvendar, descrever, com precisão, as quase infinitas tonalidades de pele dos humanos espalhados pelo nosso planeta? Muita gente já pensou isso, muitos já o fizeram como piada ou graça na internet. Mas uma fotógrafa brasileira foi além e usou essa ideia para algo maravilhoso: assim surge o projeto Humanæ.

O projeto Humanæ

Em sua apresentação no TED a fotógrafa Angelica Dass apresenta seu projeto Humanæ, onde ela desafia nossa ideia de cor de pele e identidade étnica e mostra, com muita emoção, sua história e como a multiplicidade étnica e a variedade de cores em sua própria família serviu de inspiração para o projeto que hoje transcende a arte e passou a integrar estudos de diversas áreas como antropologia, física a neurociências. Em suas palavras:

O Humanæ é uma tentativa de ressaltar nossa verdadeira cor, em vez das não verdadeiras – branco, vermelho, preto ou amarelo -, associadas a raça. É meio que um jogo que questiona nossas regras. É um trabalho em construção, de uma história pessoal a uma global.

Assistam a apresentação forte, emocional e muito inspirada de Angélica Dass e seu projeto fotográfico que ajuda pessoas a entenderem a si mesmos e como se encaixam em algo fora do padrão de reconhecimento de tons de pele vigente.

[ted id=2463]

Eu experimentei a ideia da Angélica em mim mesmo e descobri que minha cor é Pantone® 480-C.

Meu pantone 480-C - acredite.co


Conheça mais sobre o trabalho de Angelica no portal ted.com. Em seu site Angélica Dass e no tumblr.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *